quinta-feira, 3 de março de 2011

hoje o tempo voa...

Não era uma escolha, nem tão pouco uma obrigação.
Quando percebeu, já encontrava-se novamente em meio aquele turbilhão de sentimentos com os quais ela jamais soubera lidar.
Ela não sentia raiva, mas preferiu manter todas aquelas lembranças, encaixotadas no fundo do armário. Talvez por medo de que ao retirá-las daquele esconderijo, elas já estivessem empoeiradas. Envelhecidas. E as coisas velhas a deprimiam, porque ela sabia que guardavam histórias encantadoras, mas que não voltam mais! Letícia.

Nenhum comentário: